Buscar

Qual o limite do marketing digital para bandas independentes?

por Robson Assis


Outro dia conheci uma banda nova, os norte-americanos do Mom Jeans. Eles fazem um hardcore melódico que transita entre o pop punk e o midwest emo, pra resumir. Ouvi a maravilhosa apresentação deles no Audiotree no final de semana e comecei a caçar outros vídeos da banda. Descobri então mais uma apresentação ao vivo bem legal e super bem gravada em um porão parecendo cenário de filme, possivelmente a casa de alguém. Os caras fazem um baita som que me agrada, já estava vendida a ideia na minha cabeça.


Depois de consumir tudo sobre a música deles, os primeiros vídeos e os álbuns e singles do Spotify, fui buscar a banda no Instagram. Não pra consumir qualquer coisa (inclusive saudades dólar a R$2,35), mas talvez para ver o que eles andam fazendo, se continuam ativos, enfim, o básico do interesse público-banda. Foi então que não descobri mais nada além de umas fotos perdidas, contando algumas coisas simples, enfim, um perfil de banda absolutamente desinteressado em mostrar qualquer coisa legal sobre eles mesmos.



Sempre que algo do tipo acontece, me lembro das discussões no grupo do Seguimos Fortes sobre bandas usando marketing digital para se divulgarem. A minha opinião é a de que existe um limite pra isso. Numa ponta está o Supercombo fazendo streaming de jogos online e, na outra, bandas que não ligam para suas redes, nem se conectam com quem quer que seja.


Ainda assim, acredito que exista um ponto de intersecção, uma linha tênue. O marketing digital é algo que chegou ao universo independente meio recentemente. É uma forma inteligente para divulgação, usando a banda como essa plataforma para exprimir ideias e projetos autorais relacionados às músicas, ao seu ecossistema, sua temática e até ao dia a dia relacionado à banda, ou seja, ensaios, conversas, rolês e afins.


É bem possível que sua banda seja uma dessas que se encontram no final de semana para ensaiar e, às vezes para tocar em algum lugar com amigos (isso fora da pandemia, mas vou evitar esse assunto porque não aguento mais, sério). Ainda assim, existe uma chance de você poder fazer da sua música algo além das letras, acordes e melodias.


Já pensou em contar às pessoas de onde surgiu a ideia para uma letra, ou contar como conheceu a galera da banda, ou ainda fazer umas versões acústicas das suas músicas? Isso tudo, meus amigos e amigas, é marketing digital. No fundo é só você fazendo sua banda ser vista com profundidade e para além da sua música.


Marketing digital é se vender?


Um dos pontos mais criticados de artistas que fazem marketing digital com propriedade é o fato de se desvirtuar completamente da ideia de ser uma banda, tocar, enfim, ser um artista, ainda que independente e com pouca visibilidade. Afinal de contas, somos músicos, não publicitários (ok, talvez alguns de nós sejamos, mas isso não vem ao caso).


Nada contra o gameplay, caras, sério. Inclusive a Supercombo faz do marketing digital uma parada super natural em outras pontas (veja as playlists ensinando músicas, ou as versões ao vivo com convidados).


Entretanto, a questão aqui não é exatamente se vender, mas criar para a sua produção musical um universo à parte. Suas letras tem história, tem contexto. Você pode esperar que as pessoas ouçam e tirem suas próprias conclusões ou dar uma força pra que elas cresçam significativamente na cabeça do seu público.


Marketing digital para bandas não é exatamente se vender, mas mostrar algo além que seja do interesse do seu público. Ninguém melhor pra fazer isso do que você que passou horas escrevendo e reescrevendo frases, pensando em riffs e solos, usando seu tempo livre para criar algo com o qual sinta orgulho de dizer que compôs.


E se pra além disso, existir uma forma de você fazer um live streaming de Valorant no Twitch e conseguir colocar sua banda nesse contexto tudo bem também. Ninguém vai te julgar além da sua consciência (peço perdão pelo coach que baixou aqui). Colocar o marketing digital em prática na sua banda ou no seu projeto autoral é indispensável para ajudar a contar aquela história e fazer com que as pessoas se interessem por ela. Se existe um limite para isso é você e a sua banda que vão decidir.

70 visualizações
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

© seguimosfortes 2019