Buscar

CÄBRÄ: o faça-você-mesmo a serviço da fúria sonora

Atualizado: Jul 24


Foto por Stephen Alexander Slater

Por Galiego Edge

Não é uma tarefa muito fácil executar um Hardcore Punk tradicional com referências profundas em torno do Thrash Metal, Death Metal e do Grindcore. Em trio, prezando sempre pelo esquema do faça-você-mesmo, a tarefa fica ainda mais complexa. Mesmo assim, os insanos do CÄBRÄ seguem fortes no árduo caminho do som pesado e independente. Formada na pequena Itatiba-SP, em 2018, a banda é uma das mais atuantes no cenário musical interiorano. Sendo assim, nós, da Seguimos Fortes, tratamos de trocar uma ideia com Rickson “Risco” Figueira (voz/guitarra), Oto Sales (bateria) e Vinão Batista (baixo), para saber mais sobre trabalhos lançados, modo de atuação e projetos para o futuro. Acompanhe.

Seguimos Fortes - Apesar de ser uma das bandas mais novas do cenário musical independente, o CÄBRÄ sempre é lembrado pelo bom trabalho que executa. Quais os principais avanços da banda que vocês destacam nesse curto período de estrada?

Oto – Destaco o entrosamento da banda e a evolução de cada um em seu instrumento. Bem como dizem, “uma banda se faz na estrada”.

Risco - Primeiramente, muito obrigado pelo espaço. Ter conseguido um bom entrosamento musical entre nós foi um dos principais avanços que tivemos. Para uma banda com três membros, em que todo instrumento tem o seu destaque, o entrosamento torna-se essencial para conseguirmos atingir a sonoridade desejada.

Também começamos a nos preocupar com a questão da nossa organização e como deveríamos nos movimentar para atingir os objetivos que temos.



Arquivo


E quais avanços vocês destacam no cenário musical ao qual estão inseridos? Vinão - Novas bandas, novos eventos, facilidade em gravação e publicação de material.

Risco - O avanço tecnológico tem permitido maior independência para os artistas. É totalmente possível e acessível produzir um material de alta qualidade sem ter a necessidade de pagar um estúdio para tal.

A internet encurtou a distância entre as pessoas e isso permite uma divulgação do material a nível global. A internet também reflete diretamente na nossa cena do interior, pois conseguimos manter um contato mais próximo com a maioria dos artistas que correm pelo mesmo que nós. É mais fácil para divulgar eventos, materiais, fazer contatos e amizades, entre outros. Vocês possuem dois singles oficiais: "Podridão" (abril de 2019) e "Ruínas" (agosto de 2019). Ambos foram produzidos no melhor estilo faça-você-mesmo. Como que foi elaborado esse processo de produção? Risco – “Podridão” foi a terceira música que compus para o Cäbrä, e foi a primeira que lançamos. Sempre tive o costume de compor as músicas produzindo uma guia em conjunto, tanto pelo registro quanto pela facilidade de apresentar o material para a banda.

O processo de gravaçãofoi totalmente DIY (do it yourself). Os instrumentos foram gravados na minha casa. Eu e o Vinão fizemos a mixagem. Ficávamos compartilhando asversões atualizadas dos arquivos de gravação, até que chegamos em um consenso de que a música estava finalizada.“Ruínas” seguiu o mesmo processo.

O maior problema enfrentado foi para gravar as vocais no meu quarto. Eu basicamente ficava esperando a minha família toda sair para poder ligar o microfone e gravar os trechos. (risos)





Uma das ações mais notórias do CÄBRÄ foi ocupar uma calçada da Av. Senador Lacerda Franco, em Itatiba, e mandar "Podridão" no volume máximo para todo mundo ouvir. O que essa atividade representou para a banda? Risco - Acredito que toda arte deve ter o seu espaço. Se não tiver, esse espaço deve ser obtido por meio da ocupação. Foi o que fizemos. Para nós, essa apresentação representou uma quebra nesse discurso de “não ter espaço” para poder fazer um som. Quase não temos espaço para tocar na nossa cidade, salvo Bar do Celso e Irmãos de Escudo MC. Isso é extremamente triste. Sequer conseguimos tocar no parque municipal de nossa cidade.

A necessidade de apresentar nosso som, junto com a revolta de sermos excluídos dos espaços em que poderíamos estar ocupando, ocasionou essa apresentação no meio da rua, sem autorização alguma e com presença da Guarda Municipal no fim do rolê. Foi maravilhoso.



Infelizmente, a pandemia acabou atrasando diversas ações e projetos de vários artistas. Acredito que com o CÄBRÄ foi diferente. Quais foram os planos que a pandemia acabou adiando?

Vinão - Tínhamos esquematizado uma gravação ao vivo, de um split com o Desmorto (powerviolence de Atibaia). Também estávamos a quatro dias de fazer esse rolê. Infelizmente, a pandemia nos pegou de surpresa e acabamos adiando.

Oto - Também atrapalhou nos planos de fazermos a gravação de nosso álbum de estreia, além de algumas datas de shows que tínhamos.

Vocês possuem uma sonoridade com características muito interessantes. Além do Hardcore Punk tradicional, o Thrash Metal, o Death Metal e o Grindcore estão muito presentes nas canções. Quais são as principais influências da banda?

Risco - ACxDC, D.R.I., Discarga, Terrorizer, Martyrdöd. Também ouço muito Deathcore, Racionais, Chico Science e Tropicália. Vinão - Ratos de Porão, Sepultura, Desalmado e Surra.

Oto - Test, Ramones, Torture Squad, Hatefullmurder, Krisiun, etc.



Foto por Alice Sesti


Na região em que o CÄBRÄ atua há uma considerável quantidade de bandas, organizadores e coletivos que estão na luta para fazer acontecer o cenário musical independente. Quais personalidades (bandas, organizadores e coletivos) desse cenário vocês destacam?

Risco - Peço desculpas se acabar me esquecendo de alguém. A nossa região é extremamente rica de bandas, artistas e produtores. Os destaques que dou são: Boca de Lobo, Fim da Aurora, Jasper e a Gana - eles são maravilhosos. Também temos Churumi, Consequência da Revolta, Pele e Osso, Sorry For All e Abbey Roça. Tem a galera da Desmorto, Disgraça Fest – e o João da Desmorto -, Coletivo Caos Interior, Rarozine - do German -, Canibal Vegetariano e Ivan. Para finalizar, Berro Mote, Injúria, Caminho de Rato, Julia and the Fishes, Deskraus, Bar do Celso e Irmãos de escudo MC. Vinão – Bandas, indico Boca de Lobo, Desmorto, Sorry For All, Berro Mote, Consequência da Revolta, Jasper e a Gana, Julia and the Fishes e Peixes Fritos. Coletivos, indico Co.pirata, Caos Interior.

Oto - Churumi, Deskraus, Caminho de Rato, Pele e Osso, Injúria, Stab, João do Desmorto - que organiza o Disgraça Fest -, do Abbey Roça, Maurício do Esgoto Bar (Piracicaba), Bar do Bilé (Jundiaí), Bistrô do Dercy(Sumaré), Bar do Celso (itatiba) e também o pessoal do Irmãos de Escudo MC – agradecendo especialmente o Rodolpho -, que sempre nos cedeu espaço para realizarmos eventos. Vamos para as indicações. Quais livros | documentários | filmes | podcasts | canais | os integrantes do CÄBRÄ indicam para os nossos leitores?

Risco – Livros, eu indico “Homo Sapiens” de Yuval Harari e “A desobediência Civil” de Henry Thoreau. Canais, gosto do Scena, Meninos da Podrera, Rarozine e Meteoro Brasil. Já os filmes, indico The Warriors (1979) e Parasita (2019).

Vinão – Rarozine. Oto – O podcast, “Presidente da Semana”, é ótimo para as pessoas conhecerem um pouco da história do país. Outro podcast bom é o “Ditadores”, para conhecer um pouco das atrocidades causadas por vários ditadores pelo mundo.

Suponhamos que o período de quarentena acabasse hoje, e a rotina voltasse ao normal. Quais seriam os planos da banda?

Risco - Primeiro, iria acionar os meus irmãos do Desmorto, para fazermos a gravação do split. Logo na sequência, tentaria organizar algum evento na cidade com as bandas de todos os meus amigos. Estou surtando com essa vontade de tocar e não poder, é muita energia acumulada. (risos)

Vinão - Gravação de novos materiais como, a EP, split, álbum, clipe, entre outros. E também voltar a tocar em eventos. Para finalizar, o espaço é de vocês.

Oto – Agradecemos a oportunidade de divulgar nosso som, parabenizar vocês, da Seguimos Fortes, pelo conteúdo e dizer para os leitores apoiarem a cena local. Para quem quiser conhecer um pouco mais da banda, basta nos seguir nas redes sociais.

Risco – Primeiramente, gostaria de agradecer a você, Galiego, pelo espaço e pela entrevista. Você é maravilhoso. Agradeço também ao Seguimos Fortes, pelo trabalho de vocês, que é extremamente importante para a nossa cena. Continuem sempre. Também deixo o meu agradecimento a todos que estão acompanhando nossas atividades, que curtem o nosso som ou de alguma forma se identificam com nossas ideias. Quando passar essa pandemia, voltaremos com força total. Acompanhe o trabalho do CÄBRÄ: Spotify: https://open.spotify.com/artist/3SsVym1maIWPFXIetS0jGZ

Instagram: https://www.instagram.com/cabrahardcore/

Facebook: https://www.facebook.com/cabrahardcore/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCbNwMrAlF6asCpH5AavisdA

Bandcamp: https://cabrahardcore.bandcamp.com/

114 visualizações
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

© seguimosfortes 2019